noneA carregar...
Saltar para o conteúdo

Ministro das Finanças empossa membros dos Conselhos Fiscais de empresas públicas

Por  Minfin | 16/05/2017 09:28

O Ministro das Finanças, Archer Mangueira conferiu posse, nesta segunda-feira, 15 de Maio, aos membros dos Conselhos Fiscais das Empresas Públicas.

Nomeados em Despacho Conjunto pelos Ministros das Finanças e da Economia foram empossados, entre outros, os membros do Conselho Fiscal da Empresa Portuária do Soyo, E.P, SONANGOL - Sociedade Nacional de Combustível de Angola, E.P., UNICARGAS - Empresa Pública de Transporte de Cargas, E.P. e BDA - Banco de Desenvolvimento de Angola, E.P.

 

Falando na sessão, Archer Mangueira desejou sorte aos recém empossados destacando que a intervenção de cada Conselho reveste-se de “um enorme significado”, no quadro dos desafios que se levantam no processo de desenvolvimento social e económico de Angola.

 

“O processo de desenvolvimento só se consolida e a diversificação só ocorre com actores e agentes produtivos empenhados, eficientes e virados para a correcção das assimetrias – e comprometidos com a satisfação das necessidades nacionais”, disse.

 

O Estado, através do Governo, prosseguiu, no que lhe compete e como agente do desenvolvimento, tem de envolver o seu braço empresarial. Essa mola estratégica para o desenvolvimento sustentado segundo o Governante, é constituída, em grande medida, pelas empresas cujos Conselhos Fiscais foram empossados.

 

O Ministro das Finanças deixou claro que as empresas, cujos Conselhos Fiscais são regularmente constituídos, ficam mais bem apetrechadas para ganhar o combate pela eficiência, geração de resultados positivos e sustentáveis, e pela ética nos processos de tomada de decisão.

 

“Na qualidade de membros de um determinado Conselho Fiscal, é vossa obrigação estarem ao corrente das actividades desenvolvidas, medirem os seus resultados e assegurarem que o processo de funcionamento da empresa decorre dentro do quadro legal e regulamentar instituído”.

 

Ser membro de um Conselho Fiscal, disse, não é ocupar “um lugar honorífico e muito menos decorativo. Os membros dos Conselhos Fiscais não podem em momento algum sentir que não é vossa responsabilidade o que ocorrer no decurso do vosso mandado, sejam os resultados negativos ou positivos”.

 

De salientar que enquanto órgão de fiscalização com atribuições definidas pelo accionista Estado, o Conselho Fiscal deve procurar ter uma intervenção proactiva, cooperante e eficaz na detecção de práticas menos boas e no aconselhamento de quem tem o dever de tomar as melhores decisões.


A cerimónia, testemunhada também pelos Ministros da Economia, Abrahao Gourgel, da Comunicação Social, José Luís de Matos, e dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, Secretários de Estado e por altos funcionários das diferentes instituições decorreu no Museu da Moeda

Notícias Mais Lidas

Notícias Recentes